Com um palco surpreendente e estrutura renovada, o Dream Valley Festival superou a primeira edição e encantou milhares de “dreamers” de todo o Brasil e também de outras partes do mundo, que passaram pelo Beto Carrero World dias 15 e 16 de novembro. A seleção de Djs no Dream Stage e no Mystic Stage agradou o público que, assim como em 2012, se despediu do festival no amanhecer de domingo ao som do Dj holandês Hardwell, que desta vez se apresentou com o título de “Melhor Dj do Mundo” na atualidade.

Um festival de música eletrônica, a exemplo do que acontece em varias partes do mundo, é feito pela diversidade sonora e pela platéia divertida, democrática e apaixonada. E o Dream Valley Festival, que aconteceu dias 15 e 16 de novembro no Beto Carrero World, em Penha, Santa Catarina, em sua segunda edição já apresenta sinais de que veio para somar à lista dos maiores eventos do gênero no planeta. Seu palco principal de 6 mil m³ o Dream Stage, foi uma das mudanças mais impactantes e impressionou. Um grande relógio na parte central e engrenagens que lembram seu funcionamento hipnotizaram a platéia, que volta e meia se surpreendia com imagens psicodélicas nos telões seguidas de efeitos de laser, fumaça, fogos e papel picado. Já o Mystic Stage, pista destinada ao ritmo underground apareceu coberta, intimista, com telões e palco próprios para atender às características do som cadenciado e dançante que grandes nomes da cena exibiram nos dois dias do evento que contou com 27 atrações e uma baixa, as irmãs NERVO que não se apresentaram.

A primeira noite do Dream Valley Festival registrou público de mais de 16 mil pessoas e o palco principal recebeu estrelas de primeira grandeza do universo POP como W&w, Zedd, Afrojack, Steve Angello, Kaskade e Yves V, este último afirmou em entrevista coletiva após sua apresentação: “Em dez anos o Dream Valley Festival será o maior festival do mundo”. Destaque para a abertura da noite que foi feita com muita personalidade por Marcelo CIC, brasileiro responsável pela música tema do festival, “Keep Running”, que foi entoada em coro pelos dreamers que já adotaram o hit. Mario Fischetti se apresentou logo em seguida e os dois aplicaram o mesmo discurso: a valorização dos Djs nacionais. No Mystic Stage a noite de abertura do Dream Valley Festival contou com mestres internacionais do underground como Loco Dice, Robert Dietz, Tine e Sven Vath, no entanto, os brasileiros do Digitaria assumiram as pick ups com muita propriedade e representaram bem o time nacional do evento junto com Victor Ruiz & Any Mello.

A segunda noite do Dream Valley tinha como atração mais aguardada o holandês Hardwell, que ano passado havia feito uma apresentação épica no evento e este ano estaria no palco do Dream Valley como “Melhor Dj do Mundo” na lista dos Top 100 Djs da Dj Mag. Mas, até a atração mais esperada comandar as pick ups muita coisa aconteceu. No Mystic Stage o projeto Elekfantz com os catarinense Daniel Kuhnen e Leo Piovazani roubou a cena e na sequência, Gui Boratto manteve o alto nível das apresentações nacionais. Audiofly, Betoko, Tale Of Us e Funk D´Void completaram o line do palco que foi considerado como uma das mudanças mais significativas do evento, tanto em estrutura quanto em atrações.

As apresentações de Ale Rauen e Rodrigo Vieira, na abertura do Dream Stage, empolgaram a platéia e mostraram a força do time nacional do evento, que este ano contava, ao todo, com oito representantes mais um elemento surpresa, o curitibano Repow, que substituiu as irmãs NERVO e merece um parágrafo à parte. Tocadisco, Thomas Gold e Bob Sinclar aqueceram a pista para a apoteótica apresentação de Hardwell que subiu ao palco com a camisa do Brasil com seu nome nas costas e o nº1. Sabendo que grande parte das 22 mil pessoas que passaram pelo Dream Valley Festival em sua segunda noite ainda estavam ali aguardando sua apresentação, Hardwell fez o que sabe, enlouqueceu a multidão. Como um maestro, mesclando hits com novidades – ele lançou a track “Dare You” no Dream Valley Festival – ele comandou uma massa de dreamers eufóricos e que vibravam a cada música. Assim como em 2012, após sua apresentação o público pediu bis o Dj encantado com o momento solicitou à produção que queria tocar mais uma musica, e seu pedido foi atendido repetindo o final apoteótico do evento.

Um evento dos sonhos

A estrutura do Dream Valley Festival 2013 agradou em cheio ao público que não teve problemas com filas no acesso e encontrou suficientes 4 mil vagas de estacionamento. Eram mais de 300 banheiros e 500 pessoas envolvidas na segurança do evento – que novamente não teve registro de incidentes graves. Em sua concepção, produção e operação, o festival contou direta e indiretamente com mais de mil profissionais das mais diversas áreas. Ao todo haviam 14 bares espalhados pela arena do evento e duas lojas com produtos exclusivos Dream Valley assinados pela Colcci, uma na pista e outra no camarote, que era dividido em três setores e teve sua disposição elogiada. A praça de alimentação com Temaki, Pizza, Bauru e Calzone como opções de cardápio também agradou e, além disso, três brinquedos do parque Beto Carrero World estiveram à disposição dos dreamers das 20h à meia-noite: Fire Whip (primeira montanha-russa invertida do Brasil que tem 5 loopings e que atinge quase 100 km/h); Free Fall (elevador com queda de uma altura de 18 andares com velocidade de 90 km/h) e Star World Mountain (uma das maiores montanha-russa da América Latina com altura de 35 metros).

A organização do evento considerou esta edição um sucesso. “Já notamos uma evolução e nosso desafio para o próximo ano é garantir a consistência do evento, mantendo a qualidade apresentada nesses primeiros dois anos”, disse o gerente de unidade da Engage Eventos em Santa Catarina, Rodrigo Mathias. “A estrutura funcionou bem e as filas fluíram com tranquilidade”, avaliou Luiz Eurico, representante da Plus Talent. “Juntamos três empresas que são as líderes em suas áreas para formar um grande time para a realização deste festival”, disse o sócio-diretor da Green Valley, Eduardo Phillips.

Vale lembrar que em 2012, o Dream Valley Festival levou os principais prêmios nacionais do gênero eletrônico no Brasil. Foi reconhecido como “Destaque do Ano de 2012” no DJ Sound Awards e Cool Awards, e eleito o “Melhor Festival de Música Eletrônica” no Rio Music Conference. O festival ainda ganhou quatro páginas de matéria na Dj Mag inglesa, importante publicação de música eletrônica em todo o mundo, e foi citado em quinto lugar entre os “25 Festivais para se ir antes de morrer” segundo a Inthemix.com, importante portal australiano especializado em e-music. A realização do Dream Valley Festival é uma parceria entre o Grupo GV, Plus Talent e Engage Eventos, três nomes com vasta experiência na realização de grandes festivais.

Comente no Facebook

Comentários

Quase 40 mil pessoas viveram dois dias de sonhos no Dream Valley Festival, que já confirmou a edição 2014

Category: CoberturasFotosMúsicaNotícias